TOP 10: EPs de 2016

#01. serpentwithfeet
(blisters)

O R&B moderno e nobre do cantor e compositor Josiah Wise (a.k.a. serpentwithfeet) soa como um embate sentimental entre Frank Ocean, Me’Shell Ndegéocello e ANOHNI. blisters, com seus temas espirituais e sexuais, é uma épica jornada dramática traçada por instrumentações minimalistas, percussão de palmas, elementos eletrônicos e o vocal amargurado do músico supervisionada pelo produtor The Haxan Cloak (um dos parceiros de Björk em Vulnicura).

Dica de download: “four ethers” ()



#02. Anna Wise
(The Feminine: Act I)

Com sua doçura pop e rebeldia hip hop, Anna Wise – queridinha e backing vocal do rapper Kendrick Lamar – dedica um EP para as mulheres em temas como desigualdade e empoderamento. Da frágil “Precious Possession” ao hino feminista “BitchSlut” (de versos como “If I say no, I’m a bitch, say yes I’m slut”), Wise soa como uma versão mais agressiva de Lana Del Rey ou irmã mais velha de Lorde (“Decrease My Waist, Increase My Wage”) com influência da escola musical de Lamar.

Dica de download: “BitchSlut” ()



#03. Charli XCX
(Vroom Vroom )

Charli XCX adota o pop hiperativo e borbulhante da PC Music de Samuel Long (a.k.a. SOPHIE) no inusitado EP Vroom Vroom. Diverte-se despretensiosamente na faixa título, celebra a amizade no dueto com Hannah Diamond em “Paradise” e solta uma marcha feminista com direito a um sample de Uma Thurman – extraído de ‘Pulp Fiction: Tempo de Violência’ (1994) – na hipnotizante “Trophy”. “Secret” seria a faixa ideal para Gwen Stefani renovar seu portfólio.

Dica de download: “Trophy” ()



#04. Carly Rae Jepsen
(E•MO•TION Side B)

A coleção de faixas descartadas de E·MO·TION é o pop com injeção dos anos oitenta de Carly Rae Jepsen empanturrado de letras espertas. Seja para tratar uma rejeição amorosa como doença (“Fever”), não suportar a pressão de ser “a escolhida” (“The One”) ou na inesperada “Store” em que termina uma relação de forma prática (“I’m not that good at goodbyes (…) I’m just going to the store”) como quem vai comprar pão na esquina.

Dica de download: “Store” ()


#05. Massive Attack
(Ritual Spirit)

Os músicos do Massive Attack, pioneiros do trip hop, convidam nomes como Azekel, Roots Manuva, Tricky (ex-integrante do grupo) e o grupo Young Fathers para atualizar e ampliar sua sonoridade intensa em Ritual Spirit. O resultado soa como um pesadelo eletrônico e monstruoso (“Take It There”) com cenários distintos criados em cada uma das participações do compacto.

Dica de download: “Voodoo In My Blood” ()



#06. H.E.R.
(H.E.R. Volume 1)

O H.E.R., projeto (quase) misterioso de Gabi Wilson, ganhou as paradas R&B após chamar a atenção de nomes como Alicia Keys, Wyclef Jean e outros artistas que se renderam ao talento da enigmática cantora. Com seu vocal apurado e atraente, a garota navega por um mar de esperanças (“Losing”) para encontrar paz nos relacionamentos conturbados (“Facts”) sob a direção hip hop contemporânea e inspirada nos anos 90 de DJ Camper, responsável por trabalhos de Jay Z, Nicki Minaj e Mariah Carey.

Dica de download: “Focus” ()



#07. Her
(Her Tape #1)

Os franceses do Her poderiam ser definidos como um ménage à trois musical entre Al Green, Jamie xx e Jungle com a sonoridade sutil e romântica R&B pincelada pelo pop luxurioso. Suas canções são moldadas em vocais sussurrados, teclados calorosos e guitarras dedilhadas que musicalmente percorrem (“Quite Like”) o corpo de seu ouvinte.

Dica de download: “Five Minutes” ()



#08. SBTRKT
(Save Yourself)

A eletrônica cinematográfica e afetiva do produtor britânico Aaron Jerome (a.k.a. SBTRKT) conta com a força de artistas como Mabel (filha de Neneh Cherry), The-Dream, D.R.A.M. e (o parceiro de longa data) Sampha em Save Yourself. Sua épica aventura é traçada de descrença (“I Feel Your Pain”) em instrumentos de sopro aliados à eletrônica R&B (“Good Morning”), soul pulsante e dubstep.

Dica de download: “I Feel Your Pain” ()



#09. Juliette Lewis
(Future Deep)

A atriz Juliette Lewis revela sua veia explosiva e invoca uma versão feminina de Iggy Pop em Future Deep. Seu rock sujo de vocal rasgado estoura em “Any Way You Want”, deleita-se no pop funk “Hello Hero” – com produção de Isabella Summers (do Florence and the Machine), flerta com a eletrônica na faixa título e joga-se de cabeça na blues rock sessentista “I Know Trouble”.

Dica de download: “Future Deep” ()



#10. SOFI TUKKER
(Soft Animals)

O SOFI TUKKER, formado por Sophie Hawley-Weld e Tucker Halpern, confidencia uma identidade world music pop fascinante no EP de estreia. Suas canções são movimentas por uma eletrônica apoiada em guitarras elétricas com essência rock psicodélica do tropicalismo (“Drinkee”), o charango (“Matadora” com letra inspirada no poema “Ai de mim, Aipim” do poeta e letrista brasileiro Chacal) e percussões exóticas (“Awoo”) com a dupla mostrando desenvoltura na língua portuguesa.

Dica de download: “Matadora” ()