Fiona Apple revela título e detalhes do novo disco

Após confirmar em uma mensagem de sinais que seu novo disco de estúdio estava pronto, a cantora e compositora Fiona Apple cede uma entrevista exclusiva para o New Yorker e revela detalhes do seu quinto registro de estúdio.

O trabalho, definido como “cru” e “de percussão pesada”, chama-se Fetch the Bolt Cutters e contém um total 13 faixas inéditas no repertório. Entre elas está “Newspaper” que conta com os vocais de Maude Maggart, irmã de Apple e que aparece em “Hot Knife” do álbum The Idler Wheel…., numa canção sobre duas mulheres ligadas por suas histórias a um homem abusivo.

O nome Fetch the Bolt Cutters é uma referência à série ‘The Fall’ e o procedimento da policial britânica interpretada por Gillian Anderson como investigadora de crimes sexuais. O personagem de Anderson utiliza a frase após encontrar uma porta trancada para um quarto onde uma garota foi torturada. Como todos os projetos da Apple, este estava demorando muito para surgir, chegando a um processo lento de auto-interrogação criativa que produziu, ao longo de um quarto de século, um conjunto de letras estreitas, mas profundas. Seus álbuns são profundamente pessoais – traçando suas mágoas, seus confrontos com sua própria fragilidade e suas ferozes recuperações semelhantes a fênix – e musicalmente audaciosos, cada vez mais selvagens e estranhos.

A primeira música que a artista gravou para o material chama-se “On I Go” e é inspirada em um canto de meditação Vipassana. Ela cantou em seu telefone enquanto caminhava no Topanga Canyon. De volta a casa, ela desenterrou letras antigas, escreveu novas e realizou sessões de ligação anárquica com seus colegas de banda.

Outra faixa chama-se “The Drumset Is Gone”. É uma música amarga sobre rejeição, criada em uma discussão dela bêbada com os membros da banda, e que tem como tema o fim do relacionamento com o escritor Jonathan Ames.

As novas músicas estão cheias de jogo de palavras espetado e em camadas. Em “Rack of His”, Apple canta, como um ladrador de espetáculos, “veja essa prateleira dele! / olhe para aquela fileira de pescoços de guitarra / alinhados como potros ansiosos / estendidos como pernas de rockettes”. Na sombria e engraçada “Kick Me Under the Table”, ela diz a um homem em uma festa chique, “eu imploraria para discordar / mas implorando discorda de mim”. Por mais francas que sejam suas letras, elas não são facilmente decodificadas como pura biografia. Sobre “Rack of His”, ela comenta que começou a escrever essa música anos atrás sobre um relacionamento e quando terminou, era um relacionamento diferente.

“Ladies” – já apresentada sob o título de “Don’t Get Rid Of It (You’d Look Good In It)” ao vivo – tem uma vibração Vaudeville, enquanto outras músicas parecem próximas ao hip hop, com sua voz usada mais para força e fluxo do que para melodia, e como veículo para braggadocio e insultos. Há uma pungência na voz melosa de Apple emitindo rosnados, gritos e assovios.

Parte do novo material, ela estava surpreendentemente zangada. A catártica “For Her” se baseia em Apple gritando: “bom dia! bom dia / você me estuprou na mesma cama em que sua filha nasceu”. A música surgiu de uma sessão de gravação realizada pela banda logo após as audiências de nomeação do juiz da Suprema Corte Brett Kavanaugh; como muitas mulheres, Apple se sentiu furiosa com o fato de os sobreviventes de violência sexual serem incrédulos. A faixa-título chegou até ela mais tarde; uma meditação sobre sentir-se ostracizada, varia entre lucidez e fúria. As baquetas batem levemente sobre as notas suaves de mellotron, enquanto a Apple reflete: “eu estava pensando quando estava tentando ser sua amiga / pensei que era então … / mas não era, não era genuína.” Então, enquanto ela canta: “Pegue os alicates, estou aqui há muito tempo”, sua voz se dobra, as harmonias se transformando em uma confusão e há um súbito som de miado (de King Princess). Nos momentos finais, os cães latem quando a Apple murmura: “o que quer que aconteça, o que quer que aconteça”.

No meio do caminho, ela canta: “eu pensei que ser incluído na lista negra seria motivo para ser grão no moinho”. A próxima linha faz uma alusão apaixonada a uma música de Kate Bush, uma das heroínas musicais mais antigas da artista: “eu preciso subir aquela colina / eu irei, irei, irei”.

O disco mergulha em tais impulsos conflitantes: ela simpatiza com outras mulheres, se enfurece com elas, fica apaixonada por elas e lamenta sua rejeição, às vezes ao mesmo tempo. Ela ruge, em “Newspaper”, “eu me pergunto o que ele está dizendo sobre mim / para garantir que nunca seremos amigos!”. Em “Ladies”, ela descreve, primeiro com diversão e depois em um canto sombrio, “a porta giratória que continua a se transformar em mais e mais boas mulheres como você / mais uma mulher pela qual não vou passar”. Em “Shameka”, ela comemora um momento importante no ensino médio, quando uma garota durona disse à intimidada Apple que ela tinha potencial.

“Heavy Balloon” é uma música linda e propulsora sobre depressão. Ela havia adicionado um novo segundo verso, em parte inspirado numa cena de Alison, personagem de Ruth Wilson, na série ‘The Affair’. “Nós somos arrastados para baixo, para o mesmo local várias vezes seguidas / o fundo começa a parecer o único lugar seguro que você conhece”. Já “For Her” é uma faixa com vocais em camadas para formar um refrão do tipo gospel, enquanto “I Want You to Love Me”conhecida de apresentações ao vivo – é sobre tornar-se menos isolada.

Na matéria, há uma seção longa sobre o intenso romance dela com o cineasta Paul Thomas Anderson, e uma história sobre como ela deixou a cocaína depois de uma noite miserável com Anderson na casa de Quentin Tarantino: “Todo viciado deveria ficar trancado em um cinema particular com a Q.T. e P.T.A. na cocaína, e eles nunca mais vão querer fazer isso de novo”.

Fetch the Bolt Cutters ainda continua sem data de lançamento oficial.