Porto dos Mortos: o primeiro longa-metragem de horror gaúcho

terça-feira, 12 fevereiro de 2008 15:33

Porto dos Mortos, do diretor e roteirista porto-alegrense Davi de Oliveira Pinheiro, será o primeiro longa-metragem de horror gaúcho. Por ser um estilo cinematográfico pioneiro no Rio Grande do Sul, o cineasta afirmar explorar “uma visão particular do gênero, nunca vista em qualquer parte do mundo”.

Porto dos Mortos - Storyboard #1 Porto dos Mortos - Storyboard #2
Porto dos Mortos - Storyboard #3 Porto dos Mortos - Storyboard #4
Na seqüência, Adriene enfrenta Glutão, o rei dos zumbis, e suas auxiliares.
Storyboard da desenhista Gisele Oliveira.

No filme, conhecido internacionalmente como Beyond the Grave, o policial linha-dura Lockheart (Rafael Tombini) persegue Adam, um serial killer à solta em um Brasil devastado. Pelas estradas de um mundo violento, povoado por mortos vivos, o obcecado oficial da lei enfrentará seu demoníaco inimigo.


Teaser trailer de Porto dos Mortos

Entre as influências do cineasta estão Sergio Leone, François Truffaut, William Friedkin, George A. Romero, Richard Stanley e Stephen King. “O script é uma mistura de tudo que eu amo sobre cinema e fantasia, combinado para criar nossa própria mitologia: um filme feito com paixão e criatividade acima de tudo”, explica.

Porto dos Mortos será rodado na capital gaúcha de 14 de fevereiro a 4 de março. Sua estréia nos cinemas está prevista para 2 de novembro.

Carla Bruni posa nua para revista espanhola

terça-feira, 12 fevereiro de 2008 01:18

A cantora e ex-modelo italiana Carla Bruni, atual namorada esposa do presidente francês, Nicolas Sarkozy, aparece nua na edição de fevereiro da revista espanhola DT.

Carla Bruni - DT Magazine

Bruni, deitada em almofadas, aparece vestindo apenas um par de botas de couro. Segundo um porta-voz da revista, as fotos foram feitas antes do comentado relacionamento da artista com presidente da França.

O site francês Le Bouzin tem o vídeo do photoshoot da cantora para a publicação. O speakorama uma vasta galeria de imagens. E para não esquecer de falar de música, assista ao belo clipe de “Quelqu’un m’a dit”.

O Grammy continua sendo uma festa chata

segunda-feira, 11 fevereiro de 2008 03:38

Nem Kanye West, nem Amy Winehouse. O Grammy de álbum do ano é do canastrão Herbie Hancock, pelo seu morno River: The Joni Letters com regravações de clássicos Joni Mitchell.

Herbie Hancock - Grammy

Amy Winehouse (assista a apresentação da cantora direto de Londres) levou os prêmios de artista revelação, canção, gravação e melhor interpretação vocal feminina do ano com “Rehab”. Nem ela acreditou quando seu nome foi chamado numa das categorias. (assista)

Amy Winehouse - Grammy Awards Amy Winehouse - Grammy Awards

Kanye West deve estar se mordendo de raiva por ter conquistado o prêmio de melhor disco de rap e não o de álbum do ano. O rapper garantiu uma das apresentações mais emocionantes da noite. Primeiro com o seu hit “Stronger” (assista), com o Daft Punk marcando presença, seguido de “Hey Mama” (assista) dedicado à sua mãe.

Kanye West - Grammy Awards Kanye West - Grammy Awards

Alicia Keys foi o momento arroz de festa. Apareceu tanto, mas tanto que praticamente estava lançando candidatura de seu último disco As I Am. Ela tocou no piano “Learnin’ the Blues” junto de – uma versão do além de – Frank Sinatra (assista), recebeu um prêmio de Prince e voltou para cantar a sua “No One” com John Mayer. Ano que vem ela volta. Já Beyoncé fez Tina Turner requebrar o esqueleto (e ficar sem fôlego) ao som da sensacional “Proud Mary”. (assista)

Alicia Keys - Grammy Awards Beyoncé e Tina Turner - Grammy Awards

Um show gostosinho foi o da canadense Feist com sua fofa “1 2 3 4”. Simples e eficiente.

Palavras me faltam ao me deparar com este visual Sweeney Todd de Cyndi Lauper?

Cyndi Lauper - Grammy Awards

O melhor comentário da noite veio do Rafael, quando a Aretha Franklin, de quem sou fã, aparece e ele diz: “… é a Alcione internacional”. Rendeu risadas nos momentos mais chatos da premiação. Observação: Alcione não participou do Grammy e nem emprestou sua roupa para Aretha.

Aretha Franklin - Grammy Awards

Tirando as apresentações de pop country, que é a hora que todo mundo dá uma “zapeada” na televisão, o Grammy é uma festa chata, boba e feia. E injusta também. Vontade até de postar um vídeo do Milli Vanilli.

A lista completa dos ganhadores aqui

Apostando nos vencedores da 50ª edição do Grammy

domingo, 10 fevereiro de 2008 19:39

O rapper Kanye West, com oito indicações, e a cantora britânica Amy Winehouse, com seis, são os principais concorrentes da 50ª edição do prêmio Grammy, que acontece hoje em Los Angeles. Quem será o grande vencedor? A arrogância do rapper, o abuso de drogas noticiado em tablóides de Winehouse ou nenhum dos dois? Abaixo coloquei minhas apostas.

Kanye West

Álbum do Ano: Graduation (Kanye West) / River: The Joni Letters (Herbie Hancock)
Gravação do Ano: “Umbrella” (Rihanna feat. Jay-Z) / “Rehab” (Amy Winehouse)
Canção do Ano: “Rehab” (Amy Winehouse)
Artista Revelação: Amy Winehouse

Amy Winehouse

Melhor Álbum Pop: Back to Black (Amy Winehouse)
Melhor Álbum Rock: Magic (Bruce Springsteen) / Echoes, Silence, Patience & Grace (Foo Fighters)
Melhor Álbum Alternativo: Neon Bible (Arcade Fire) / Icky Thump (The White Stripes)
Melhor Álbum Rap: Graduation (Kanye West)
Melhor Álbum R&B Contemporâneo: Konvicted (Akon) / Because of You (Ne-Yo)
Melhor Álbum Country: These Days (Vince Gill)
Melhor Álbum Dance: Sound Of Silver (LCD Soundsystem) / We Are the Night (The Chemical Brothers)

Lucinda Williams

Melhor Performance Pop Feminina: “Rehab” (Amy Winehouse)
Melhor Performance Pop Masculina: “What Goes Around…Comes Around” (Justin Timberlake)
Melhor Performance Rap (Solo): “Stronger” (Kanye West)
Melhor Performance Rock (Solo): “Come On” (Lucinda Williams) / “Radio Nowhere” (Bruce Springsteen)
Melhor Performance Pop (Duo/Grupo): “Makes Me Wonder” (Maroon 5)

Alguém já parou para pensar que Amy Winehouse precisa ganhar a categoria revelação para limpar a história da premiação? É a primeira vez que um artista europeu tem chances de levar o prêmio desde o desastre Milli Vanilli. (não entendeu, leia aqui).

Por mais que eu torça pela cantora na categoria de álbum do ano, o Grammy provavelmente premiará um artista presente no evento para posar com seus gramofones dourados. Ou seja, Kanye West. Winehouse não comparecerá a festa, mas fará uma apresentação ao vivo via satélite.

O Grammy será exibido no canal Sony a partir das 23 horas. Como sempre, depois venho riscar as apostas equivocadas.

Basia Bulat – “In the Night”

sábado, 9 fevereiro de 2008 22:58

Basia Bulat

A canadense Basia Bulat, uma das melhores estréias do ano passado, acaba de lançar seu primeiro álbum nos Estados Unidos. Oh, My Darling é um trabalho pequeno que se revela rico em sua própria simplicidade.

A artista cresceu cercada de discos com os clássicos da Motown, Beatles, Beach Boys e Sam Cooke. Seu debut é um folk-jazz de efeito acústico conduzido primordialmente pelo seu vocal suave e contrastante.


Clipe de “In the Night”

No vídeo de “In the Night”, dirigido por Anthony Seck, a cantora passeia com muito entusiasmo por uma floresta com ursos que tocam tambor, esqueletos dançantes e bobos da corte que colorem o visual do ambiente.

Gostou? Confira a doçura do cover de “Someday”, do Strokes, ao vivo feito por ela.

Review: Cloverfield – Monstro

sexta-feira, 8 fevereiro de 2008 08:49

Cloverfield - Monstro

Em 1999, o cinema independente descobriu a fórmula milionária do amadorismo digital e do marketing na Internet. O produto: A Bruxa de Blair. Quase dez anos depois, Cloverfield trilha os passos da bruxa com suas cenas gravadas em formato caseiro/documental. O filme produzido por J.J. Abrams (de Lost) não tem apenas estratégia similar ao pequeno projeto, como também traça semelhanças na estrutura de sua trama com inovações tecnológicas.

The Blair Witch Godzilla Project, como o longa está sendo chamado, ganha forma numa festa de despedida (preste atenção nas músicas de The Coconut Records, Spoon, Gorillaz, Joan as Police Woman, Kings of Leon, … praticamente uma festa indie – download aqui) interrompida por explosões, prédios que desabam e a cabeça da Estátua da Liberdade rolando pelas ruas de Nova Iorque. A partir daí, é cinema com câmera tremida na mão e histeria para fugir de uma criatura disposta a destruir tudo o que vê pela frente.

A escolha de trabalhar com o documental possibilita que o espectador participe com certo realismo da ação em takes que nunca são os melhores e um elenco que se esforça para convencer. Porém, se o filme peca em quesitos básicos, a primeira leva de efeitos especiais surge para entreter o seu público até o final.

Cloverfield não é um filme ruim, está apenas fora de seu tempo. Com o atraso de uma década.

Cloverfield – Monstro (Cloverfield, EUA, 2008)
Direção: Matt Reves
Com: Michael Stah-David, Lizzy Caplan, T.J. Miller, Jessica Lucas, Anjul Nigam e Mike Vogel. 78 min.

Hitchcock Portfolio: atores revivem os clássicos do mestre do suspense na Vanity Fair

quinta-feira, 7 fevereiro de 2008 12:24

A edição de março da Vanity Fair presta uma homenagem digna ao mestre do suspense Alfred Hitchcock.

Atores como Scarlett Johansson, Robert Downey Jr., Renée Zellweger, Javier Bardem, Julie Christie, Marion Cotillard, Jodie Foster, Emile Hirsch, Keira Knightley, Gwyneth Paltrow, Charlize Theron, Naomi Watts, entre outros, recriam as famosas cenas dos clássicos do diretor para a publicação.

Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Scarlett Johansson e Javier Bardem em Janela Indiscreta
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Charlize Theron em Disque M Para Matar
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Renée Zellweger em Um Corpo Que Cai
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Jodie Foster em Os Pássaros
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Gwyneth Paltrow e Robert Downey Jr. em Ladrão de Casaca
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Naomi Watts em Marnie, Confissões de uma Ladra
Vanity Fair - Hitchcock Portfolio
Marion Cotillard em Psicose

As fotografias foram clicadas por Julian Broad, Norman Jean Roy, Mark Seliger e Art Streiber (making of). A galeria completa pode ser conferida aqui.

Sheryl Crow – “God Bless This Mess”

quinta-feira, 7 fevereiro de 2008 11:53


Clipe de “God Bless This Mess”

O novo disco de Sheryl Crow, Detours, é uma delícia do início ao fim. No trabalho, a artista volta a trabalhar com o produtor Bill Bottrell, responsável pela sua estréia em Tuesday Night Music Club, de 1993. Ou seja, é um regresso às raízes musicais de Crow.

Detours inicia sua trajetória com a canção “God Bless This Mess” que acaba de virar clipe. O trabalho, realizado em preto e branco e dirigido por Jonathan Sudbury (assista ao making of), traz a cantora em frente à Casa Branca e do Capitólio. Na composição, ela questiona-se sobre os atuais percursos da nação norte-americana, acreditando apenas numa intervenção divina para consertar o país.

Review: Shelby Lynne – ‘Just a Little Lovin”

quarta-feira, 6 fevereiro de 2008 16:56

Shelby Lynne - Just a Little Lovin' Um álbum de covers não é tarefa fácil quando comparações são praticamente inevitáveis. Em Just a Little Lovin’, Shelby Lynne presta homenagem ao legado de Dusty Springfield, uma de suas heroínas na música.

O álbum firma-se numa aura jazzística regrada, sem as grandes orquestrações das versões originais, com piano e guitarras. O alt-country de “Willie and Laura Mae Jones” soa o momento mais confortável à Lynne. Por outro lado, as melodias sublimes e emotivas de “Anyone Who Had a Heart” e “You Don’t Have to Say You Love Me” transformam-se em atração com seu vocal sereno.

Just a Little Lovin’ sobrevive como disco tributo. Porém, é um trabalho pequeno e limitado na carreira da artista.

Dicas de download: “Anyone Who Had a Heart” (vídeo), “Willie and Laura Mae Jones” e “How Can I Be Sure”

Maggie Gyllenhaal em orgia lésbica

terça-feira, 5 fevereiro de 2008 19:12

A atriz Maggie Gyllenhaal (Secretária) também participa da campanha Spechless (veja mais), em favor dos roteiristas norte-americanos.

O curta sobre três garotas que se encontram no elevador e descobrem estar saindo com o mesmo homem (“AMPiTePa” – referência a Alliance of Motion Picture and Television Producers que representa os produtores dos grandes estúdios de Hollywood) foi a melhor forma que os roteiros encontraram para atacar.


Maggie Gyllenhaal para a Spechless

As três afogam as mágoas numa garrafa de vinho, até que Gyllenhaal se atira na cama e diz: “Nós não precisamos dele. Temos tudo o que precisamos aqui. Garotas, vocês querem fazer um trato temporário?”.

O trabalho é dirigido por George Hickenlooper, de Uma Garota Irresistível.